Os 5 Maiores Erros no Gerenciamento de Pessoas: Entenda Como Mantê-los Bem Longe da Sua Equipe

Quando assume uma função de gerenciamento de pessoas você passa de um funcionário responsável somente pelo próprio trabalho, para se tornar encarregado pelos resultados de uma equipe inteira, e isso exige um novo grupo de competências.

Administrar diversas pessoas e as habilidades dessa função pode ser desafiador e problemas surgem pelo caminho. 

Para tornar esse processo mais tranquilo conheça os maiores e mais comuns erros cometidos pelos profissionais que trabalham com o gerenciamento de pessoas, e mantenha-os bem longe da sua equipe!

1. Não Deixar as Metas e Objetivos Claros

Para que a equipe caminhe com fluidez é indispensável que todos estejam indo na mesma direção, e isso só é possível com metas e objetivos claros.

E, por mais que isso pareça simples, na realidade exige compreender como os membros da sua equipe funcionam e se comunicam. Lembre de passar a informação de forma visual, auditiva, esquemática/lógica e com algum exercício prático de compreensão. Isso, por si só, irá abranger diferentes formas de lidar com o mundo e fará com que os dados que vocês está passando cheguem com mais clareza aos funcionários. 

Como isso é tão relevante? Imagine uma pessoa que é muito visual, precisa de esquemas e imagens para processar exatamente a mensagem que vocês está passando. Agora imagine uma reunião matinal em que o chefe diz o que precisa ser feito e dispensa todos para o trabalho. Essa pessoa visual dificilmente terá entendido e memorizado completamente o que precisa ser feito, o que poderia ser resolvido simplesmente passando a informação na forma com que ela assimila melhor.

Além disso, não esconda informações. É claro que existem dados confidenciais da empresa e que pode ser que seja pedido a você que não revele determinadas questões mas, fora essas situações, sempre seja transparente e compartilhe o que você sabe. Segurar informação não traz mais poder para ninguém nessa situação, somente deixa mais difícil a compreensão entre a equipe e cria um obstáculo para atingir os objetivos.

2. Falhar em Delegar e dar Feedback

Ninguém consegue fazer tudo sozinho, e mesmo se isso fosse possível, não seria eficiente. Uma equipe existe justamente para que cada um faça sua parte dentro das suas habilidades. Delegar tarefas é parte essencial do trabalho do gerenciamento de pessoas e existem, pelo menos, 3 características para delegar de forma eficiente:

  • Planejamento
  • Confiança
  • Feedback

Planejamento

Quais são os passos que precisam ser tomados? 

Quando serão os momentos de feedback?

O que é considerado um resultado satisfatório para o projeto?

Aqui voltamos a destacar a importância da comunicação clara, pois é onde o funcionário irá entender tudo o que será responsabilidade dele.

Confiança

Uma vez que a tarefa tenha sido atribuída a alguém, não fique em cima do funcionário o tempo todo. Confie no trabalho que ele foi contratado para fazer.

Feedback

É importante ter em mente que para tarefas maiores ou projetos de longa duração, o feedback não deve ser feito somente após o término do processo, mas também como um alinhamento em momentos previamente combinados.

Lembre de reconhecer as coisas positivas que a pessoa tiver realizado e focar nas soluções, e não nos problemas. Se algo não saiu como o desejado, o empenho deve ser para planejar como atingir o resultado ao invés de gastar tempo e energia discutindo com o funcionário.

Mesmo em situações negativas, um feedback nunca deve ser uma bronca, e sim uma oportunidade de melhoria em que você irá guiar o membro da sua equipe com os próximos passos para chegar no resultado desejado. Trabalhe o “como” no lugar de dizer “faça melhor”.

3. Não Reconhecer os Membros da Equipe

Os funcionários precisam ser reconhecidos por suas conquistas, habilidades e, também, por suas ideias e empenho.

Um dos papéis mais esquecidos do gerenciamento de pessoas é mostrar que os funcionários estão sendo ouvidos e vistos. 

Dê espaço para que eles mostrem suas opiniões e sugestões, afinal, eles foram contratados por suas capacidades para contribuir com a empresa. 

E cada vez que que houver um resultado positivo, reconheça-o. Reconhecimentos públicos, em frente a toda a equipe, também são ótimos motivadores para todos.

4. Não Tratar Funcionários Igualmente

No papel de gerenciamento de pessoas não há espaço para manter favoritos, além de totalmente antiético é o caminho certo para gerar conflitos no ambiente de trabalho.

Todos os funcionários precisam ser tratados da mesma forma, com o mesmo espaço para expressar suas opiniões e mesma liberdade com o líder.

Da mesma forma, a equipe toda, igualmente, deve ser protegida pelo líder, que assume as responsabilidades pelos resultados. Isso significa que, se algo não sair de acordo com o plano e um superior questionar os motivos, um funcionário nunca deve ser culpado pelas falhas. A equipe anda unida, e o líder é o responsável pelas consequências, sejam elas boas ou ruins.

Colocar a causa do problema em um funcionário nunca irá melhorar a situação, pois além de criar desavenças entre a equipe e os funcionários perderem a confiança em você, o superior irá questionar sua habilidade de administrar seu time. Ou seja, efeitos negativos para todos. 

5. Não Conhecer os Integrantes do Time como Pessoas

Ninguém é exclusivamente um trabalhador, temos diversas faces: filhos (as), mães, pais, irmãos, amigos, estudantes, entre tantas outras. E é impossível separar integralmente uma faceta de outra, não há como deixar a mãe ao sair pela porta de casa e tornar-se somente a vendedora da empresa.

Buscamos sempre nos adequar ao ambiente em que estamos, mas nossos outros papéis na vida continuam dentro de nós, e isso afeta a forma como nos relacionamos e, muita vezes, nossos resultados no trabalho.

Por isso, é fundamental que no gerenciamento de pessoas os funcionários sejam reconhecidos como seres humanos, com sentimentos, variabilidades na produtividade, alterações de saúde, e interferências externas. Um bom líder entende como todos esses fatores se relacionam e reconhece a importância de conhecer o funcionário como uma pessoa, e não uma máquina de trabalhar.

Esse reconhecimento gera confiança, cumplicidade e apoio, o que reflete em todos os aspectos da produtividade da equipe, união do time e respeito pelo próximo.

Nunca Subestime o Poder que Você Tem

Como um gerenciador de pessoas, seu papel é cultivar um ambiente de trabalho positivo, produtivo, seguro e que estimule os funcionários a se desenvolverem.

Sua equipe se inspira em você e espelha seu comportamento, cada ação que você toma reflete nos resultados do seu time, tanto nas questões puramente de objetivos atingidos, quanto no emocional que mantém sua equipe unida (ou não).

Quando encontrar um problema, procure primeiro observar como você está administrando seu time, pois a grande chance é que o desafio esteja em mudar a forma como você age, e não seus funcionários.

O lado positivo é que assim como suas ações facilmente geram consequências negativas, elas também podem, rapidamente, gerar resultados positivos. Na maior parte das vezes a mudança está na forma de ver as coisas e de se comunicar com sua equipe.

Gostou desse artigo? Então compartilhe nas redes sociais e continue acompanhando que vem muito mais pela frente!

Deixe um comentário