Gestão de pessoas: tudo o que você precisa saber sobre o assunto

A gestão de pessoas é um assunto que sempre está nos holofotes. Isso se dá graças ao caráter sociológico que essa administração tem. Não se pode ignorar que, quando se trata de pessoas, todos os ambientes podem ser imprevisíveis.

Contudo, uma boa direção busca prever cenários por meio de situações anteriores e também de ferramentas gerenciais que permitem medir quais oportunidades podem ser aproveitadas e quais ameaças devem ser neutralizadas.

Diante disso, fazer a gestão de pessoas, dando atenção aos recursos humanos e usando esses movimentos para garantir a qualidade de vida da equipe, sem dispensar uma vantagem competitiva à empresa, é essencial.

Pensando em todos esses pontos, preparamos este material para deixá-lo inteirado sobre o que é a gestão de pessoas, como executá-la de forma estratégica para o negócio e quais os caminhos que o futuro aponta. Quer saber mais? Então continue a leitura!

O que é gestão de pessoas?

A gestão de pessoas está ligada a todos os planos e atividades que cercam a equipe e os processos relacionados a ela em uma empresa. Trata-se de um conjunto de boas práticas que vão desde o processo de recrutamento e seleção até o treinamento e o desenvolvimento dos colaboradores contratados.

Estão sob os cuidados da gestão de pessoas:

  • o alinhamento do fit cultural com a procura de quem vai ocupar os cargos;
  • a definição do organograma (respeitando a estrutura vertical ou horizontal da organização);
  • o processo de adaptação no trabalho;
  • a escolha dos indicadores de desempenho;
  • os fatores de incentivo e motivação;
  • os feedbacks;
  • a formação de lideranças;
  • os relatórios de produtividade;
  • todas as tomadas de decisão que estejam relacionadas à equipe.

Em suma, é a gestão de pessoas que assume essas responsabilidades, reunindo bases para guiar os colaboradores e as áreas, em geral, a um caminho de sucesso, colaborando para o crescimento do empreendimento e mantendo tudo em perfeita harmonia para que o desenvolvimento da organização aconteça progressivamente.

Quais são os principais objetivos?

O capital humano é um dos fundamentos de qualquer negócio. Os colaboradores, da alta cúpula executiva até a linha de frente, são o que move a empresa e leva o legado do empreendimento a cada dia de trabalho desempenhado.

Diante disso, o objetivo da gestão de pessoas é aprimorar a forma como a organização enxerga a equipe e os indivíduos que a compõe, ajudando-a a definir quais são as estratégias que trarão o resultado esperado.

Antes de qualquer coisa, é preciso que a gestão que pensa e implementa ações em relação às pessoas esteja diretamente ligada ao grande propósito da empresa. Todas as atividades precisam estar em conformidade com o planejamento estratégico.

Sendo assim, os principais objetivos da gestão de pessoas vão, de certa forma, variar de organização para organização, justamente para que estejam alinhados à estratégia em questão e aos objetivos daquele empreendimento em específico. Contudo, vamos citar alguns resultados comumente esperados:

  • incentivar e motivar os colaboradores;
  • treinar e desenvolver a equipe;
  • criar um clima organizacional positivo;
  • ganhar vantagem competitiva por meio do trabalho engajado;
  • proporcionar um ambiente que aumente a qualidade de vida das pessoas;
  • contar com o fator de inovação na empresa;
  • gerenciar mudanças;
  • posicionar a empresa como uma organização ética.

Além desses objetivos beneficentes a qualquer administração, vale ressaltar que, quando a equipe está bem instruída e acompanhada, todos os processos acontecem sem que haja erros e necessidade de retrabalho. Assim, prejuízos financeiros também são evitados, além da má fama no mercado e do mau relacionamento com o cliente decorrente de serviços de má qualidade. Bons colaboradores trazem bons resultados.

Quais pilares sustentam essa administração?

A gestão de pessoas busca satisfazer tanto o colaborador quanto a empresa. Para que isso aconteça de forma equilibrada e complementar, há 4 pilares essenciais: participação, capacitação, envolvimento e desenvolvimento. Vejamos cada um deles e suas principais características.

Participação

Esse processo diz respeito a todos os colaboradores da empresa, pensando neles como um time, independentemente de em qual setor ou área atuam. Essa prática faz com que a empresa possa ouvir o que a equipe tem a dizer sobre as questões gerenciais corporativas.

Um ambiente promovido seguindo esse princípio abre espaço para que novas ideias venham à tona, bem como sugestões, apontamentos e soluções.

Isso colabora para que a organização melhore constantemente. A participação envolve os colaboradores, tanto com a gestão quanto com os outros funcionários. A possibilidade de integração entre as áreas faz com que um clima de colaboração se estabeleça, incentivando a criatividade e a sinergia.

Capacitação

O tópico “capacitação” trata-se justamente de preparar os colaboradores, investindo no treinamento e aperfeiçoando as suas habilidades e competências. Essa iniciativa pode acontecer por meio de palestras, workshops, cursos etc.

Quando o profissional percebe que a empresa está preocupada com o seu crescimento, investindo nele, pode se sentir preparado e confiante para executar suas tarefas com competência e, uma vez que o desempenho progride, a produtividade aumenta.

Envolvimento

Um ponto estratégico para a gestão de pessoas está no envolvimento. Quando a equipe está capacitada e é participativa, deve ser direcionada a missão, os valores, a razão de ser do negócio: o time precisa vestir a camisa.

É isso que garante que o operacional cumpra os processos, trazendo resultados excelentes. A sua equipe sabe qual é, de fato, o negócio da organização? É um erro da gestão não deixar isso claro.

Uma empresa não vende apenas o produto, serviço ou solução que comercializa. O que o empreendimento deve realmente expressar é o valor que oferece e agrega na vida do consumidor. Essa postura é tratada no envolvimento da equipe.

Desenvolvimento

Com os 3 pontos anteriores acertados, todos os sistemas da empresa estarão trabalhando em alinhamento. Sendo assim, é hora de movimentar a companhia, pensando e planejando novos projetos.

Fazer a reciclagem das ideias é muito mais simples e coerente quando os colaboradores estão preparados, e as áreas, em sintonia. Todos têm plena competência de encontrar novos caminhos para tornar os processos mais eficientes.

Qual é a importância de uma gestão de pessoas assertiva?

A história da administração nos trouxe muitas lições. Entre elas, o surgimento da Teoria das Relações Humanas ensinou sobre como considerar as necessidades e a satisfação das pessoas que trabalham na empresa é importante. Podemos confirmar isso verificando a Pirâmide de Maslow, por exemplo.

Se uma organização é composta por processos que são executados por pessoas, nada mais justo do que cuidar dessa força de trabalho. Isso é uma via de mão dupla, pois, enquanto a gestão pensa nas pessoas, as pessoas garantem o sucesso da gestão.

A importância de uma boa gestão de pessoas é reger uma empresa moderna e excelente.

Como fazer gestão de pessoas de forma estratégica?

Estruturar a gestão de pessoas é essencial. Para que ela funcione e seja, de fato, um trunfo para a administração, alguns aspectos devem ser considerados. A vantagem competitiva que se tem quando a equipe atua em alta performance só pode ser alcançada quando há um plano sólido por trás das ações. Destacamos 6 delas abaixo. Vejamos!

Trabalhe o fator motivação

Não se engane: motivação não é apenas dinheiro. Salários justos e bonificações são importantes, mas não significam tudo. As pessoas querem ser reconhecidas e isso pode se dar de diversas maneiras, incluindo a atenção da liderança.

Conheça os seus colaboradores. Ainda que a sua empresa — ou área  seja de grande porte, procure dados que o deixem mais próximo de quem são as pessoas com quem trabalha, como é a personalidade de cada uma e, consequentemente, o que pode ajudá-las a se desenvolver.

Demonstre que você se importa com a sua equipe, proporcionando momentos de interação, e pense além do estímulo monetário. Adote medidas que atendam a preocupação da gestão com o bem-estar dos colaboradores, como o acompanhamento, a segurança e a medicina do trabalho.

Elimine ruídos na comunicação

A comunicação precisa ser objetiva, clara e sem ruídos. Isso significa que não é recomendável que restem dúvidas sobre o que a administração quer, seja com um projeto, seja com uma atividade específica. Nesses casos, centralizar a comunicação é uma atitude inteligente.

Além disso, a comunicação não deve ser considerada apenas como uma linha vertical. O diálogo entre os níveis de hierarquia deve funcionar. Dê espaço para seus colaboradores e analise, de fato, o que eles têm a dizer, respondendo com atenção.

Incentive o trabalho em equipe

Pode parecer óbvio, mas não é tanto assim: cada colaborador tem uma função e um papel essencial para a empresa. Esse fato precisa estar evidente por dois motivos o primeiro objetiva que o colaborador entenda como o trabalho dele é importante para a organização; o segundo visa ao beneficiamento do processo global, alcançado quando todas as atividades foram desempenhadas corretamente.

A colaboração de cada pessoa influencia positiva ou negativamente o resultado final. Sendo assim, é muito importante que haja um espírito de equipe sobre todas as operações. Cabe ao líder conscientizar a todos acerca desse pensamento global: todos colaboram com um propósito e, por isso, cada um precisa fazer sua parte. O que um faz reflete diretamente no outro, impactando a organização como um todo.

Trabalhe as competências

Habilidades técnicas tratam de fazer. Já as competências falam sobre saber como se faz. Especializações são muito importantes, certamente, mas as capacidades gerenciais e analíticas também.

Ao acompanhar a equipe, perceba quais são as facilidades que se destacam e foque nelas. Além da correção dos pontos fracos, é imprescindível fortalecer o que pode ser uma oportunidade. A retenção de talentos é um desafio, portanto, não a perca de vista.

Meça os resultados

Acompanhar a sua equipe não significa apenas dar um feedback de vez em quando ou fazer um pronunciamento entusiasta. Ferramentas gerenciais podem auxiliar na hora de medir o desempenho dos colaboradores.

Essas métricas — chamadas também de KPIs — servem para que a gestão saiba exatamente como a equipe está trabalhando, podendo, assim, melhorar a forma com a qual se comunica com ela e a capacita.

Ações são inúteis se os resultados não são colhidos. Desse modo, planeje, implante e, assim que obtiver os frutos do que foi plantado, use esses dados para tomar decisões que profissionalizem, cada vez mais, o trabalho.

Treine novas lideranças

Dissemos, em um dos tópicos acima, que a retenção de talentos é um desafio e, de fato, esse é um gargalo enfrentado por muitas empresas. Isso acontece graças às características das gerações que estão em maior atuação atualmente somadas à alta competitividade do mercado.

A instabilidade nas empresas faz com que os colaboradores queiram se afastar, buscando mais alinhamento com suas causas ou mais valorização. A gestão precisa se preocupar em criar um ambiente capaz de ser vantajoso para que o colaborador queira crescer e ficar.

Muito se ouve falar sobre fidelização do cliente, mas e quanto aos funcionários? Todos têm um elemento especial a ser desenvolvido. Ache-o no seu time, pense sobre, planeje e proponha ações. Se existe potencial na equipe, prepare-a para cargos altos.

Quais benefícios essa ação traz para a empresa?

Se a equipe trabalha motivada, engajada e capacitada, um bom trabalho é entregue. Isso é sinônimo de máximo aproveitamento dos recursos, eliminando excessos e erros. Quando os processos são aprimorados, o resultado é a alta qualidade nos produtos, serviços ou soluções prestadas.

Qualidade é sinônimo de satisfação do cliente. Cliente satisfeito significa fidelização, o que consolida a marca do negócio no mercado, posicionando-o positivamente e atraindo novos consumidores. Como consequência, o faturamento aumenta, dando espaço para novos empreendimentos e desafios para a equipe.

Novos projetos demandam colaboradores ativos e preparados. Isso significa que eles precisam ser treinados para alcançar a alta performance exigida. Assim, o ciclo se repete e tudo colabora para o crescimento da empresa e o sucesso da gestão. Essa sinergia é o ápice de uma organização: colaboradores satisfeitos entregando resultados excelentes.

Como é possível aprimorá-la?

A liderança tem papel fundamental na gestão de pessoas. Ainda que o RH faça um excelente trabalho tático, a gerência precisa estar a par de como está o andamento dos planos, sempre verificando o que pode ser aprimorado. Temos 5 dicas de ouro. Acompanhe!

Valorize as pessoas

Às vezes, ficamos tão presos aos profissionais que somos, que acabamos passando por cima da consideração pelas qualidades e dificuldades intrínsecas de cada um. Antes de ser alguém que ocupa cargo A ou B, o colaborador é uma pessoa que tem um cotidiano, uma vida fora da empresa. Considere isso ao tratar com um funcionário.

Mantenha a proximidade

A pior coisa que uma liderança pode ser é inacessível. Você já sentiu que sua opinião era descartável? Que alguém ouviu, mas, na verdade, não cogitou, em nenhum momento, validá-la? Não deixe que isso aconteça com a sua equipe.

Esteja próximo de verdade, mostrando-se disponível. Ainda que você não consiga contato direto com toda a base operacional, tente se atualizar, por meio de reuniões ou relatórios, com as outras lideranças, ouvindo o que cada representação de setor tem a dizer. Seja acessível.

Seja transparente

Fofocas podem prejudicar muito o clima organizacional. Portanto, comunique as decisões e os direcionamentos sem que haja espaço para burburinhos ou geração de segundas e terceiras histórias. Seja transparente ao fazer a gestão.

Deixe os objetivos claros, bem como os caminhos, a forma como o desempenho vai ser medido e as consequências de ação x ou y, esclarecendo tudo que for necessário. Manter os colaboradores inseguros é ruim para eles e para a empresa.

Reconheça erros

A gestão também está sujeita a erros. Nesses casos, a atitude mais acertada é reconhecer o que houve e estabelecer quais medidas serão tomadas para correção e não repetição desse acontecimento. A liderança é reconhecida quando assume essa postura.

O mesmo acontece com alguma decisão ou jeito de lidar com determinada situação. Ter a capacidade de analisar um fato, perceber o que pode ser melhorado e garantir as ações para que isso aconteça é, sem dúvida, ser um líder.

Não se engane: não é um sinal de fraqueza. Reconhecer um erro reafirma o seu profissionalismo e o compromisso com o crescimento da sua carreira e da empresa. Se existe a autogestão, fica evidente que a equipe pode contar com essa capacidade para guiá-la também.

Aprenda com a equipe

Sempre há espaço para o aprimoramento. A liderança precisa, literalmente, dar o exemplo. Preocupe-se em profissionalizar a gestão por meio de treinamentos, uso de novas ferramentas, palestras, especializações, trabalhos de campo, reciclagens, estudos sobre tipos de personalidade e tudo mais que puder trazer propriedade à gestão de pessoas.

É preciso que o desenvolvimento e a preocupação com a força de trabalho sejam o perfil da companhia, logo, esse clima precisa ser espalhado por toda a organização. Não basta “impor” que os colaboradores se capacitem e sejam participativos  essa mindset deve ser passada pela gestão.

Quais são as principais tendências na gestão de pessoas?

A gestão de pessoas foi um processo evolutivo. Desde o sistema de Ford — que priorizava a tarefa e não a operação — muito se aprendeu sobre a relação entre os colaboradores e a organização e sobre como é saudável que ela seja uma via de duas mãos, beneficiando ambas as partes.

Esse processo é dinâmico, pois as pessoas apresentam novos comportamentos a cada geração. Portanto, para se manter por dentro das boas práticas, é necessário acompanhar constantemente para onde o futuro dessa gestão aponta. Veja algumas tendências que estão se consolidando atualmente!

Baixo nível de formalidade

A geração Y trouxe isso para dentro das empresas e tudo indica que esse movimento vai continuar. O uso das redes sociais e o baixo nível de formalidade entre hierarquias — pontos nos quais elas ainda se sustentam — trouxeram uma nova perspectiva para os ambientes corporativos.

Imagine como era há 30 anos: cumprimentar seu chefe com um beijo no rosto seria desrespeitoso, certo? Os tempos mudaram e essa flexibilidade traz alguns benefícios, como a comunicação remota, o diálogo direto e a abertura para sugestões e ideias, por exemplo.

Além dessas vantagens, devemos citar também que o homem é um ser social e, por isso, ser bem quisto e viver em um ambiente amigável é importante (vide a Pirâmide de Maslow citada mais cedo neste artigo).

Oferta diferenciada de benefícios

As pessoas estão buscando, cada vez mais, o alinhamento com o fit cultural da empresa, ou seja, elas estão procurando se identificar com as causas e a organização do negócio, podendo, assim, cumprir o seu propósito por meio do trabalho.

Diante disso, é possível prever que carteira assinada, o vale-refeição e o vale-alimentação não satisfazem completamente o desejo do colaborador. O que as pessoas esperam da empresa mudou e, por isso, ofertas diferenciadas têm ganhado valor.

É comum observar indivíduos que trabalham em troca de moradia em um país estrangeiro, por exemplo, ou colaboradores que se esforçam para atingir metas que garantem viagens. Isso é o novo perfil do trabalhador se manifestando. Fique atento às demandas!

A liderança precisa ficar atenta a todas essas nuances para não se perder na gestão de pessoas. Se essa direção é bem-feita, todo o resto da organização caminha bem, já que uma coisa funciona ligada à outra. Pessoas movem o empreendimento. Cuidar delas significa garantir o crescimento da empresa.

Para aplicar todo o conhecimento exposto neste artigo, é preciso entender que nem todos que estão em um alto cargo têm condições de acompanhar uma equipe, desenvolvendo os colaboradores para que eles fiquem satisfeitos e entreguem alta performance. Para saber mais sobre o assunto, leia sobre a diferença entre líder e chefe!

Deixe um comentário