Guia de contabilidade para PME: o que você precisa saber

As Pequenas e Médias Empresas são responsáveis pela maioria dos empregos no país. O dado mostra a importância dos empreendimentos desse porte, que representam uma enorme parcela dos negócios abertos no Brasil. Mas qual é a importância da contabilidade para PME?

A inovação tecnológica e a grande concorrência de mercado fazem com que seja difícil para que essas instituições consigam firmar seu posicionamento e se manterem em atividade.

A melhor estratégia para garantir o sucesso das PME é utilizar-se de uma boa gestão, que mantenha as rotinas nos trilhos, para poder enfrentar as adversidades propostas pelos demais âmbitos.

A contabilidade é uma grande aliada desses empreendimentos, pois seus números controlam os processos internos, fornecendo ótimas informações sobre o andamento e faturamento da empresa. Além disso, ela pode ser utilizada para integrar os acontecimentos financeiros internos com os fatores externos.

Investir em uma gestão contábil é crucial para evitar irregularidades, além de impulsionar os negócios. Quer entender tudo sobre essa área e como ela impacta na sua pequena ou média empresa? Confira nosso e-book e seja um expert no assunto, aplicando melhorias em seus negócios!

1. Que empresas se caracterizam como uma PME?

As PME, ou pequenas e médias empresas, são assim chamadas pelo Sebrae, responsável pela classificação de negócios com essa categoria. Elas são definidas dessa forma de acordo com os seus números. Veja:

  • são pequenas empresas aquelas instituições que têm entre 10 e 49 funcionários nos setores de comércio e de serviços;
  • são classificadas como pequenas as empresas da indústria que têm, em seu elenco, entre 20 e 99 empregados;
  • são consideradas médias aquelas com elenco de colaboradores entre 50 e 99, no setor de comércio e serviços;
  • são também tidas como médias as indústrias com número de trabalhadores entre 100 e 499;

No entanto, é preciso atenção para o fato de que há mais de uma maneira de delimitar o porte de uma empresa. No exemplo acima, citamos como critério o número de colaboradores. Porém, também há como caracterizar isso a partir das questões financeiras, ou, mais especificamente, do faturamento.

Desse modo, são elencadas como PMEs as instituições que tiverem o seu faturamento mensal de 30 mil até 25 milhões de reais mensalmente. Ou, ainda, cujo faturamento anual esteja enquadrado entre 3,6 milhões e 300 milhões.

2.  Quais os diferenciais da contabilidade para as Pequenas e Médias Empresas?

Após a emissão das Normas Internacionais de Relatório Financeiro, foi disponibilizada, no Brasil, a norma que regulamenta as empresas do país, semelhante a anterior. O CPC é o órgão responsável pelas regras, que também são conhecidas como CPC – PME.

O diferencial aplicado entre a contabilidade das pequenas e médias empresas daquelas de grande porte é o cunho reduzido, no qual tanto a leitura quanto a aplicação são mais simples que as demais. Assim, é dispensada a leitura das normas que não dizem respeito e não são aplicáveis às pequenas e médias empresas.

Mas, afinal, qual é a diferença prática, entre o CPC pleno e o CPC integral? É o que iremos explicar. Confira!

2.1 Entenda a norma plena do CPC

Entender o CPC pleno e os pontos que o diferenciam do CPC para PME é a melhor maneira de compreender a fundo quais são os pontos que são aliviados no contexto das pequenas e médias empresas. Por isso, elencamos os assuntos cruciais em que as normas divergem.

2.1.1 Custo dos empréstimos

No CPC pleno, todo o custo de um empréstimo diretamente conferido à aquisição, à construção ou à produção do ativo qualificado tem que ser capitalizado. Já quando os empréstimos têm outra destinação, devem ser definidos como despesas.

2.1.2 Ativos e passivos financeiros

Nas grandes empresas, a contabilidade tem seus ativos e passivos financeiros classificados em 4 categorizações, diferindo das pequenas e médias empresas, que são delimitadas de modo diferente. Podemos citar as definições das organizações de grande porte como:

  1. Ativo e passivo financeiros avaliados de valor justo, com contrapartida no resultado;
  2. Investimento com conservação até o seu vencimento;
  3. Recebíveis e empréstimos;
  4. Ativos financeiros que estão em disponibilidade para a venda.

2.1.3 Ativos intangíveis

No CPC, em sua versão integral, todos os custos com o desenvolvimento podem ser capitalizados no momento em que determinados critérios são atingidos.

Aqueles ativos intangíveis, com a sua vida útil indeterminada (podemos citar o ágio como exemplo), não são submetidos ao processo de amortização. No entanto, devem ser testados para verificar se não houve perda de valor, utilizando-se do impairment.

Mas, afinal, como esses pontos são diferidos quando tratamos das pequenas e médias empresas? É o que iremos comparar no próximo tópico. Quer entender mais sobre esses aspectos? Continue conosco e entenda mais sobre disso a seguir!

3.  Quais são as normas do CFC para Pequenas e Médias Empresas?

Após a evidência dos principais pontos da norma integral, que são adaptados para as pequenas e médias empresas, vale observar quais são, de fato, tais modificações. Entender esse aspecto é fundamental para aplicar o CFC de modo correto.

3.1 Custo dos empréstimos

Como citado acima, o custo dos empréstimos no CFC pleno tem especificações de dependência quanto à aquisição e à sua classificação. Já no CFC para pequenas e médias empresas, todos os custos de empréstimo são considerados como despesas.

3.2 Ativos e passivos financeiros

Conferimos, anteriormente, a classificação em 4 tipos que as grandes empresas têm acerca dos ativos e passivos financeiros. Já no CFC – PME, os ativos e passivos são divididos unicamente entre básicos e complexos. Aqueles ativos que se encaixam com algumas determinações têm avaliação de custo ou ao custo amortizado. Os demais são avaliados de acordo com o justo valor, com contrapartida no resultado.

3.3 Ativos intangíveis

Em uma empresa PME, qualquer custo com pesquisa e desenvolvimento deve ser classificado como uma despesa. Todos os ativos cunhados como intangíveis, como o ágil, e os que tem a vida útil determinada precisam sofrer amortização.

4.  Qual é a importância da contabilidade para o sucesso da PME?

A contabilidade é parte fundamental para a saúde de qualquer empresa. O grande desafio dos empresários brasileiros está na dificuldade de enfrentar a grande e complexa carga tributária à qual as empresas estão submetidas.

Assim, cuidar dessa área delicada é preciso para que você consiga driblar essas questões e manter a sua instituição no mercado em boas condições e com um índice de lucratividade satisfatório.

O princípio primordial pelo qual a área preza é classificar, registrar, quantificar e medir toda e qualquer variação que pode ocorrer nos patrimônios de uma organização. Isso tudo com o objetivo de gerar informações e dados para analisar os passos da gestão e pautar as novas decisões.

A contabilidade, hoje, é mais que uma calculadora na realidade das empresas. Seu papel ganha cada vez mais espaço na pauta para tomada de decisão, subsidiando os administradores quanto às informações financeiras, fiscais e contábeis pertinentes para o conhecimento do negócio.

Com seus muitos recursos, como a escrituração e demonstração contábil, análise dos demonstrativos, auditorias etc, ela conduz a gestão para o melhor entendimento de todo o fluxo financeiro.

Por isso, com um plano financeiro feito com qualidade e uma contabilidade pontual, as pequenas e médias empresas conseguem enfrentar os desafios de mercado. Entenda outros benefícios diretos para a gestão que ela oferece!

4.1 Um bom planejamento tributário

Como informamos acima, os tributos têm grande impacto em uma empresa de médio ou pequeno porte. A enorme quantidade de riscos de problemas judiciais por erros é uma preocupação de qualquer gestão.

Nenhuma empresa, ainda, gostaria de arcar com mais despesas do que realmente precisa pagando taxas e impostos. No entanto, não controlar e possuir conhecimento adequado sobre os tributos pode resultar no pagamento de juros e na não obtenção de descontos e facilidades possíveis.

Utilizando-se da contabilidade, é possível estruturar esses pagamentos, encontrando as melhores estratégias e formas de execução. Isso tudo confere grandes benefícios e economia para seu negócio.

As demonstrações contábeis, o cálculo da carga de tributos e os encargos obrigatórios são facilmente calculados, levando você ao correto pagamento das obrigações, sem custear itens desnecessários.

4.2 A facilitação para empréstimos e financiamentos

Uma realidade comum às PMEs é buscar apoio e crédito nos bancos e instituições financeiras. Muitas vezes, tais recursos são necessários para aumentar o capital de giro, por exemplo. Porém, no momento de conseguir a concessão, faz-se necessário demonstrar seu financeiro de maneira bem estruturada e objetiva. Entenda os pontos que podem ser requeridos nos itens a seguir:

4.2.1 O balanço do patrimônio

O balanço patrimonial demonstra toda a situação contábil, financeira e econômica à qual a empresa está submetida. No documento, são apresentados os ativos, contendo bens e direitos, contando com exigibilidade e obrigações e o patrimônio líquido, demonstrando a diferença entre os ativos e os passivos.

4.2.2 Demonstração do resultado do exercício

A DRE reúne todas as informações quanto ao financeiro. O documento visa mostrar o lucro ou o prejuízo da operação. Ele é geralmente importante na aprovação de crédito, pois ajuda a analisar o retorno dos ativos, a margem líquida e o retorno do patrimônio líquido.

Entregando todos esses demonstrativos às instituições financeiras, você evidencia a transparência existente em seu negócio, além de mostrar que há controle e organização quanto ao plano financeiro. Assim, você passa credibilidade e adquire maior base para ser contemplado.

4.3 A melhora do controle fiscal e financeiro

Uma situação infelizmente comum são empresas de médio e pequeno porte que não contam com nenhum nível de controle financeiro. Podemos citar, inclusive, um caso bastante incidente, que é o envolvimento das contas pessoais com as dívidas do negócio. Em ocasiões perigosas como essa, a contabilidade é de grande auxílio.

A contabilidade não deve ser feita apenas no momento de declarar o imposto de renda. O departamento também pode desenvolver o relatórios que integram uma correta administração dos recursos. Confira alguns aspectos que são melhor controlados e auxiliam na gerência, com maior alinhamento dos âmbitos fiscais e financeiros:

4.3.1 Controle do Fluxo de Caixa

O relatório mais necessário para uma administração de qualidade é o Fluxo de Caixa. O controle é responsável por registrar as entradas e as saídas de dinheiro do departamento financeiro durante determinado período.

Assim, todos os gastos ficam ilustrados. A partir deles, faz-se possível estabelecer relatórios pertinentes, com uma avaliação geral de como os recursos da instituição estão sendo aplicados.

4.3.2 Livro Razão

No livro razão, todos os dados relacionados a dinheiro de uma empresa devem ser descritos. Contas a pagar e a receber, lucro e prejuízo são bons exemplos. Esse tipo de registro tem elevada importância, pois verifica todo e qualquer movimento das contas bancárias. Ficam descritos saldos, balancetes, demonstrações e demais informações fiscais pertinentes.

4.4 A contribuição para o gerenciamento

Para que uma empresa atinja os seus objetivos, ela deve gozar da contabilidade gerencial. Ou seja, a área pode ir além dos números e ser uma aliada na administração dos negócios.

Para isso, além dos elementos e das ferramentas quantitativos já utilizados, é anexada uma visão ampla e bem estruturada do mercado e da administração das operações. Atentando e integrando a área contábil à microeconomia, grandes mudanças e benefícios são adquiridos para as tomadas de decisão e rumos da organização.

Agregando os dados de mercado, o desempenho interno da empresa e os relatórios contábeis, a empresa consegue uma visualização ampla do andamento das atividades, do que precisa ser feito e, a partir disso, propor medidas pertinentes.

Por exemplo, avaliando as entradas, observando que elas foram diminuídas no momento em que houve uma expansão de mais empresas do ramo em sua área, você sabe que a concorrência tem prejudicado seu lucro, envolvendo a necessidade de uma reação. 

Desse modo, fica claro como os recursos e os registros contábeis mostram informações importantes. Buscar os demais fatores embutidos nisso, utilizando como base o financeiro, é uma grande estratégia a fim de alavancar o faturamento e diminuir os embargos ao lucro que podem surgir no caminho.

4.5 A diminuição dos custos e gastos

Toda e qualquer empresa com objetivos de crescimento, expansão e melhor aproveitamento dos recursos deve se preocupar em minimizar os custos e os gastos. Melhor aplicar o capital de giro da empresa tem papel importante na produtividade e rentabilidade de um negócio.

Mas como a contabilidade é importante para que o retorno oferecido e a utilização do dinheiro da instituição sejam otimizados? A resposta é simples: os números que a contabilidade gera são o melhor norteamento para aplicar os recursos.

Quando há o controle e o registro de todos os movimentos financeiros feitos, você identifica onde o dinheiro está sendo empregado. É possível, assim, monitorar índices, os montantes utilizados de maneira incorreta e que consomem os bens.

Por exemplo, quando existe um custo elevado para manter a estrutura interna e os suprimentos da empresa, os registros contábeis podem identificar rapidamente. Assim, o gestor pode reavaliar o montante gasto com essas questões e realizar mudanças, caso seja necessário.

Entendeu a importância de investir na contabilidade da sua empresa para melhorar resultados? Quer saber como otimizar essa área em sua pequena ou média empresa para obter tais benefícios? Preparamos um tópico para lhe ajudar nessa tarefa. Entenda mais lendo a próxima seção! 

5. Como otimizar a contabilidade da PME em 4 dicas?

Ficou claro que o ponto-chave para o sucesso de uma pequena ou média empresa é realizar uma gestão contábil de qualidade. Mas fazer isso é uma tarefa que exige dedicação, empregando esforços direcionados.

Embora a dificuldade de realizar uma boa contabilidade não seja alta, ela requer a atenção dos donos da empresa, além de exigir que eles se interessem pela área e conheçam a importância de empregá-la de modo adequado.

Para isso, você pode contar com a nossa ajuda! Separamos 4 dicas fundamentais no processo de otimização da contabilidade em uma PME. Aplique-as em seu negócio e observe as melhorias!

5.1 Analise o regime tributário

O regime tributário é parte crucial, que define a empresa como um todo. A partir dele, você identifica quais são os impostos e também as alíquotas aos quais o seu negócio estará submetido.

O faturamento é a segunda etapa, responsável por determinar a faixa de tributação à qual o estabelecimento será inserido. Porém, é necessário que essa fase seja bem analisada pela contabilidade da instituição.

Estudar qual é o melhor regime tributário, de acordo com a situação do empreendimento, tem relevância, pois a escolha errada pode resultar no pagamento de taxas mais altas e impostos além dos realmente necessários.

Os enquadramentos mais comuns são o Simples Nacional e o Lucro presumido. Em geral, o primeiro é o escolhido, pois possibilita o pagamento unificado de diversos impostos em uma única guia. Isso otimiza o tempo da contabilidade, mas não dispensa a necessidade de verificar o que é o melhor para o seu caso.

5.2 Realize um planejamento financeiro

O planejamento financeiro é o passo inicial para garantir o sucesso monetário do seu negócio. Essa dica tem tamanha prioridade que o critério deve ser levado em conta e realizado, se possível, antes mesmo do início da empresa.

Caso o seu empreendimento já tenha iniciado sem essa condução, ainda é possível reorganizá-la. Reestruture o seu setor financeiro, para que ele tenha organização nas contas. Defina prioridades e protocolos de tomada de decisão.

A partir da mudança e da correta administração, os registros das atividades se tornam possíveis, tornando a documentação simplificada. Como consequência, a contabilidade irá se projetar a partir de números mais precisos e corretos, conseguindo, inclusive, fazer uma relação objetiva entre eles.

5.3 Organize um calendário de impostos

As datas de pagamento dos impostos precisam ser respeitadas, a fim de evitar irregularidades e consequências pertinentes ao descumprimento das legislações tributárias.

Caso a empresa esteja sob regime de lucro simples, todos os tributos serão pagos em um mesmo dia, como já citamos acima. No entanto, é importante observar a data do vencimento, que ocorre no dia 20 de cada mês. O ideal é que você tenha um método, como um calendário de contas, para fixar a data e evitar esquecimentos.

Quando a PME segue o Lucro presumido, a atividade se torna mais complexa, pois são 5 impostos a serem pagos, todos em datas diferentes. Assim, organizar os pagamentos, anotando-os em um calendário ou outra ferramenta semelhante, é uma atitude imprescindível.

5.4 Invista em um software de gestão

Atualmente, apenas o controle manual dos números e das informações não dá conta de suprir todo o fluxo de trabalho. Por isso, investir em um sistema que automatize determinadas funções e integre os dados é fundamental.

Implantando essa ferramenta, você diminui os erros humanos referentes ao controle financeiro e contábil, otimizando o tempo. Desse modo, as tarefas pertinentes são realizadas mais rápido e em um maior volume, tudo com precisão.

Assim, manter o financeiro em dia e conseguir verificá-lo com eficiência pela contabilidade se torna fácil e simples. Pode-se também aprimorar essa atividade realizando cursos de gestão.

Neste conteúdo, você verificou todos as questões que podem ser monitoradas e melhoradas quando a contabilidade é realizada adequadamente. Compreender essas informações é o primeiro passo para valorizar essa área da sua PME.

Levando em consideração o cenário concorrido e sem espaços para erros que as PME enfrentam, faz-se necessário ter essa tarefa feita de modo pontual. Isso a fim tanto de evitar problemas legais, com o fisco, quanto para impulsionar o faturamento.

Utilizar-se das vantagens que uma boa contabilidade fornece para sua empresa irá lhe ajudar a visualizar seu negócio de maneira ampla, detendo todos os dados cruciais para interpretar a qualidade do processo financeiro.

Empregando essas informações em suas decisões, você consegue estruturar ações coerentes, com o intuito de aumentar o faturamento e utilizar os recursos disponíveis com maiores chances de acerto.

Desse modo, fica claro por que a contabilidade para PME deve ter local de destaque em sua gestão. Faça uso das informações descritas neste guia para alavancar seus resultados, aproveitando tudo o que a área contábil tem a oferecer para que seu negócio obtenha sucesso. 

Uma PME que se preocupa com todos os pontos descritos mostra também a sua preocupação com a gestão de pessoas, pois também garante os direitos e benefícios aos funcionários.

Nosso conteúdo conferiu informações de qualidade para aprimorar a sua gestão? Gostaria de receber com frequência artigos para expandir seus conhecimentos e aplicá-los em sua PME? Assine nossa newsletter e receba todas as nossas novas produções em seu e-mail!

Deixe um comentário